logo embreve

Diário do Farol

Quando:
25/06 - 20:00 h   a   24/07 - 20:00 h
Local:
Teatro Poeira
A Maldade Circula Entre Nós

Em Diário do Farol, Thelmo Fernandes encarna um personagem sombrio, nesse monólogo inspirado no livro de João Ubaldo Ribeiro.

O monólogo Diário do Farol – Uma peça sobre a maldade retorna aos palcos cariocas, mas dessa vez na ribalta do Teatro Poeira. O ator Thelmo Fernandes volta a interpretar um homem capaz de dissimular, matar e torturar, entre várias outras vilanias. No entanto, ele ainda consegue ver beleza nos atos sofridos que pratica. Inspirado por Domingos Oliveira (1936-2019), a peça recebe direção de Fernando Philbertresponsável pela adaptação do texto junto com Thelmo, que tem neste trabalho seu primeiro solo. Diário do Farol recebeu indicações ao Prêmio Cesgranrio de Teatro, APTR e Botequim Cultural.

Esse monólogo mostra um homem que pode estar sentado ao nosso lado no transporte público, ou até mesmo ocupando um cargo de liderança. Pois esse é o personagem-narrador de Diário do Farol, romance lançado pelo imortal João Ubaldo Ribeiro, em 2002. O livro chegou aos palcos em 2019 e teve até uma versão online, durante à pandemia.

“Para esta temporada tivemos mudanças pontuais no texto e na encenação. Pois a peça encurtou em 10 minutos, mas ninguém percebe, foram cortes cirúrgicos. Quem retornar pra assistir verá praticamente o mesmo espetáculo. Acredito que a peça está mais atual do que nunca. O que eu percebo na escrita do João Ubaldo, é que certos movimentos perversos e nocivos que a humanidade sempre cria para si são cíclicos e sempre voltam. A abordagem serve como instrumento forte de reflexão pro espectador”, observa Thelmo Fernandes

“Uma peça sobre a maldade”. Essa foi a frase usada por Domingos Oliveira quando, em 2014, apresentou o projeto a Philbert, por isso ele chamou Thelmo Fernandes.

Quando o mal e o bem se confundem? O limite entre estes dois extremos é tênue, basta um sopro para um se transformar no outro. Diário do Farol lança luz sobre essa questão, por isso a história mostra um homem mau, em sua essência, mas que se utiliza desta máxima com extrema astúcia e perspicácia. Este homem nos conta como foi capaz de fazer as maiores atrocidades permanecendo absolutamente invisível. No entanto, após cometer esses atos, ele se isola em uma ilha e cuida de Lúcifer, o seu Farol. 

Vivendo a velhice isolado em uma ilha, um clérigo amoral e inescrupuloso decide relatar as maldades que perpetrou ao longo da vida. Para justificar os atos inomináveis que cometeu, ele relembra os maus-tratos que sofreu na infância. Pois essas surras e humilhações constantes culminaram em um momento decisivo: o menino viu ruir diante de seus olhos a distinção entre o Bem e o Mal.

Ao constatar que estava sozinho no mundo e que não havia razão alguma para ser bom, sua vida ganha um novo sentido. Por isso ele deixa de lado o filtro de qualquer valor moral, portanto o padre lança mão da astúcia, dissimulação, violência e todo tipo de recurso torpe. Tudo isso para atingir o seu principal objetivo, que é tornar-se o pior dos seres humanos. Com sua prosa engenhosa, João Ubaldo Ribeiro constrói um protagonista memorável na obra Diário do Farol, pois ele é capaz de dialogar intensamente com o leitor e levá-lo a questionar os limites da moralidade humana.

Da obra de: João Ubaldo Ribeiro
Inspiração: Domingos Oliveira
Adaptação: Fernando Philbert e Thelmo Fernandes
Direção: Fernando Philbert
Interpretação: Thelmo Fernandes
Idealização: Fernando Philbert, Renata Blasi e Thelmo Fernandes
Cenografia e Figurino: Natália Lana
Iluminação: Vilmar Olos
Audiovisual / Video Mapping: Vida Longa Audiovisual
Trilha Sonora Original: Marcelo Alonso Neves
Fotografia: Rafael Blasi
Assistente de Direção: James Simão
Assessoria de Imprensa: Marrom Glacê Comunicação
Gestão em Mídias Sociais: Rafael Gandra
Direção de Produção: Ana Paula Abreu e Renata Blasi
Produção: Diálogo da Arte Produções Culturais
Realização: Blasi & Fernandes Produções Artísticas e Diálogo da Arte Produções Culturais

Local: Teatro Poeira • R. São João Batista – Botafogo
Datas: Até 24 de Julho • Terça e Quarta – Às 20:00 h
Duração: 60 minutos
Gênero: Drama
Classificação Etária: 16 anos
Ingressos: Clique Aqui

Cristovam Freitas

Meu nome é Cristovam Brasileiro, meia idade, aficionado por literatura, cinema e, principalmente, teatro. Dono de gato, de cachorro.

Mídias relacionadas:

No Site RIO Art  você encontra informações sobre Teatro, Exposições, Eventos, Cinema, Livros e muito mais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE